A Classe da Enfermagem demonstra não confiar na administração do presidente Jamson, e deveria?

MEMBRO DO COREN.

MARANHÃO – É bem sabido de toda a classe que o Coren-MA encerrou o mês de janeiro com aproximadamente R$ 400.000,00 (quatrocentos mil) em caixa. Pode parecer muito dinheiro, mas este valor é suficiente apenas para os gastos fixos mensais do órgão.
Se comparar com gestões anteriores, estamos falando de uma queda considerável na arrecadação do órgão, e isto ocorre em razão da classe estar cansada de tantos escândalos acumulados na gestão de Jamson Júnior.

O importante é que a voz da enfermagem está finalmente sendo ouvida, tanto que nos últimos 2 meses o Cofen realizou 2 sindicâncias no Coren-MA, e deixou 2 conselheiros federais encarregados de analisar de perto o órgão. Virá intervenção será?
Quando se mexe no bolso, as coisas mudam. Bastou a classe demonstrar sua insatisfação não pagando o Coren que o próprio Conselho Federal abriu os olhos para o que está acontecendo no Maranhão.

Mas, a classe tem razão de não confiar na capacidade administrativa do Jamson Júnior? Este blog apurou que apesar do mesmo ter retirado em média R$ 8.000,00 por mês do Coren, continuou devendo R$ 36.998,58 para a Caixa Econômica Federal, fornecendo inclusive o
endereço do próprio pai para não ser encontrado! Uma pessoa que não é capaz de honrar as próprias dívidas, pode presidir um Conselho de
Classes? Talvez a enfermagem esteja no caminho certo em não confiar em caloteiros.

Você pode gostar...