Ana do Gás é cotada para assumir o cargo de procuradora da Mulher da Assembleia Legislativa.

Deputada estadual reeleita Ana do Gás (PCdoB).

MARANHÃO – A deputada estadual reeleita Ana do Gás (PCdoB) é cotada como um forte nome para ocupar o cargo de procuradora da Mulher da Assembleia Legislativa, na próxima legislatura. Nos bastidores, a parlamentar tem tido boa aceitação entre as deputadas eleitas e, ao que tudo indica, deve suceder a deputada Valéria Macedo (PDT), primeira procuradora da Mulher da Casa, que fez um brilhante trabalho à frente do órgão.

Reconhecida como uma parlamentar atuante entre as que integram a bancada feminina da Assembleia, a deputada Ana do Gás é tida como uma grande defensora dos direitos das mulheres. Ela é autora, por exemplo, de projeto de lei que obriga o Estado do Maranhão a somente contratar empresas que possuam, no mínimo, 5% (cinco por cento) de empregados do sexo feminino no seu quadro profissional.

Também lutou pela destinação de mais leitos de obstetrícia e maternidades para atender mulheres de municípios maranhenses, sobretudo na região do Médio Mearim. Ela defende, ainda, maior participação e representação das mulheres na política.

Caso assuma a Procuradoria da Mulher, a parlamentar deve continuar levantando essa bandeira e dará seguimento ao importante trabalho realizado pela deputada Valéria Macedo, dando suporte às demais deputadas da Casa nas suas discussões e falas em defesa das mulheres e dos cidadãos. A posse da nova procuradora da Mulher – para o biênio 2019/2020 – acontecerá junto com a da nova Mesa Diretora, em fevereiro.

Sobre a Procuradoria da Mulher

A Procuradoria da Mulher é um órgão permanente e especializado da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa, que tem como objetivo zelar pela defesa dos direitos das mulheres.

Dentre as suas atribuições estão a de receber, examinar e encaminhar aos órgãos competentes as denúncias de violência e discriminação contra a mulher; promover audiências públicas, pesquisas e estudos sobre violência e discriminação contra a mulher, bem como sobre a participação feminina na política.

 

(FONTE: DOMINGOS COSTA)

Você pode gostar...