Assassino do cantor André Lobo é condenado a 26 anos de prisão em regime fechado

Glaubson Maranhão dos Santos foi condenado a 26 anos de prisão em regime fechado.

SÃO LUÍS/MA – O assassino do cantor André Lobo, Glaubson Maranhão dos Santos foi condenado a 26 anos de prisão em regime fechado pelos crimes de homicídio qualificado contra o cantor André Lins Martins Gonçalves (André Lobo) e pela tentativa de homicídio de Teresa Gomes da Silva e Souza.

No dia 8 de maio de 2014, André Lobo e Teresa Gomes estavam em um carro e voltavam de uma festa na Estrada de Ribamar quando outro carro avançou e bateu no veículo, próximo ao retorno da Forquilha.

Segundo depoimento da vítima de tentativa de homicídio, após a colisão, eles desceram para conversar, no intuito de chamar a perícia. Contou, ainda, que bateu no vidro do carro, pedindo ao condutor do outro carro que também descesse do veículo, mas o motorista não desceu, não se identificou e saiu do local com o carro.

Nesse momento, de acordo com a vítima, saíram cinco homens de dentro da boate. Um deles foi até um carro pegou uma arma de fogo, momento em que André Lobo disse para a depoente correr. A vítima contou que foi atingida com um tiro na perna e conseguiu correr e se esconder, sendo socorrida por uma pessoa que passava de carro pelo local.

ASSASSINO NO BANCO DOS RÉUS.

Ao ser interrogado, Glaubson Maranhão dos Santos negou ser o autor do crime. Ele disse que estava dentro da boate quando viu as pessoas correndo para o lado de fora do estabelecimento, onde ocorria uma discussão entre André Lobo e um homem de nome Renato. Afirmou que ouviu um disparo de arma de fogo, as disse não ter visto quem atirou.

O Ministério Público denunciou Glaubson Maranhão dos Santos pelos crimes de homicídio qualificado por motivo fútil (artigo 121, § 2°, inciso II) e tentativa e homicídio (artigo 121, § 2°, inciso II, c/c artigo 14, inciso II).

Conforme a denúncia, o acusado efetuou disparos de arma de fogo contra as vítimas, causando a morte do cantor André Lobo. Teresa Gomes da Silva foi alvejada na perna, socorrida e levada ao hospital. Consta na decisão de pronúncia que a motivação dos crimes teria sido uma briga de trânsito, originada de uma colisão entre dois veículos.

Consta na decisão de pronuncia que o acusado possui outros registros de crime doloso contra a vida, na 2ª Vara do Tribunal do Júri (Processo nº 55.105/2014) e na 3ª Vara do Tribunal do Júri (Processo nº 25.372/2010). A pronúncia de Glaubson Maranhão Dos Santos foi confirmada pelo Tribunal de Justiça do Maranhão. Em novembro de 2018, o juiz José Ribamar Goulart Heluy Júnior, que havia decretado a prisão do acusado, manteve a prisão preventiva e atualmente o acusado está custodiado na Penitenciária de Pedrinhas, em São Luís.

Julgamento

A sessão de julgamento desta quarta (29) foi presidida pelo juiz Osmar Gomes dos Santos que responde pela 4ª Vara do Tribunal do Júri. A pena de Glaubson deverá ser cumprida inicialmente em regime fechado no Complexo Penitenciário de Pedrinhas, sendo negado o direito de o réu recorrer em liberdade.

(FONTE: G1 MA)

Você pode gostar...