ASSÉDIOS DE SOLDADOS DO EXÉRCITO EM BURITICUPU SÃO BOATOS PLANTADOS POR MADEIREIROS.

EXÉRCITO EM BURITICUPU

EXÉRCITO EM BURITICUPU

 
Uma onda de boatos se espalhou na cidade de Buriticupu dando conta de que soldados do Exército teria estuprados e assediados moças na cidade de Buriticupu.

Até a deputada Francisca Primo ocupou a tribuna da Assembleia Legislativa para fazer acusações contra os militares que estão alojados nas dependências do IFMA naquele município.

Na verdade, os soldados estão ali para evitar o desmatamento ilegal de madeiras. O marido da deputada, o ex-prefeito de Buriticupu, Primo, é ligado aos madeiros, que foram os responsáveis pelos boatos.

A direção do IFMA da cidade distribuiu hoje nota para esclarecer o caso. Abaixo a nota:

 

NOTA DE ESCLARECIMENTO

 

O IFMA Campus Buriticupu vem a público  repudiar as notas vinculadas na impressa onde mencionam de forma  vergonhosa o nome da Instituição e fazem afirmações caluniosas. Diante  da notícia vinculada na imprensa onde se afirma que o exército que se  encontra hospedado nas dependências do IFMA Campus Buriticupu vem cometendo atos libidinosos, desrespeitosos e de atentado a moral é infundada, imoral e irreverente.
A presença do Exército na cidade é por uma ação do IBAMA contra a  extração e exploração ilegal de madeiras. Lamentamos que situação como  essa aconteça com o nome de uma Instituição de Educação que vem  promovendo mudanças significativas de crescimento cognitivo e melhoria  dos indicadores sociais, instituição essa quem tem dado, ao longo de sua existência em Buriticupu, contribuições importantes para a comunidade  Buriticupuense gerando conscientização para um desenvolvimento mais  sustentável em prol da cidade de Buriticupu e região.
Em relação às acusações que nos fazem, não recebemos qualquer denúncia formalizada em relação a assédio ou estupro de nossas alunas, infelizmente tais  comentários maldosos e que envolvem interesses escusos acabam  comprometendo a integridade moral dos alunos e servidores desta  Instituição. Jamais iríamos compactuar com tais práticas dentro desta  Instituição que vem trabalhando em parceria com a comunidade  Buriticupuense na luta por melhorias e desenvolvimento da região.
O  IFMA Campus Buriticupu condena este tipo de comentário inescrupuloso e  lamenta pela fala e escrita proferida a Instituição. Em relação às  acusações temos a dizer:
1º – O Exército encontra-se na cidade de  Buriticupu realizando uma ação coordenada pelo IBAMA para coibir a  extração/exploração ilegal de madeiras; na chamada FORÇA-TAREFA  PÁTRIA-BRASIL.
2º – As dependências do IFMA Campus Buriticupu foram  solicitadas pelo Comando Militar do Nordeste para abrigar médicos,  soldados e o Comando Geral, como apoio às suas atividades na região.  Dentre suas atividades, está também, o atendimento no Hospital de  Campanha, montado dentro do IFMA, sendo realizados até o momento, 1380  atendimentos médicos e odontológicos aos alunos, servidores e moradores  de comunidades adjacentes. Vem ainda dando colaboração ao ensino desta  instituição, proferindo palestras educativas com diversos temas, como  drogas, trânsito, gravidez na adolescência e dando suporte a professores pesquisadores em seus trabalhos científicos. – Além, disso, o Exército  Brasileiro, por meio de Ações Cívico-Sociais, vem buscando cada vez mais uma aproximação da população Buriticupuense, com a entrega de cestas  básicas, kits de higiene bucal, recuperação de instalações físicas de  escolas e órgãos públicos, bem como a exposição de materiais militares  pela cidade de Buriticupu, reforçando a informação.
3º – A piscina  da Instituição foi utilizada para promover uma competição/ torneio entre alunos e militares, com o acompanhamento de professores e da  comunidade, torneio esse solicitado pelo grêmio desta Instituição  escolar e foi também solicitada pelo comando da operação para prática de atividades físicas, sendo essas atividades uma praxe do exército, o  fomento as atividades físicas;
4º – O traje utilizado em uma piscina trata-se de fato de uma sunga, portanto nada que venha desabonar a  conduta moral ou incitar a concupiscência;
5º – A não liberação da  piscina antes para os alunos deve-se ao fato de não termos os produtos  químicos para tratamento da água da piscina e médicos para o exame de  nossos alunos, ações essas que só puderam acontecer com a chegada do  exército que trouxe os produtos e os médicos, por isso a piscina foi  liberada neste período;
6º – A afirmação de que cerca de 200  mulheres ficam entrando e saindo do IFMA Campus Buriticupu para fazer  sexo com os militares é infundada, desrespeitosa e imoral, somos uma  Instituição de Ensino, pesquisa e extensão todos os dias adentram a essa Instituição um quantitativo grande de pessoas que trabalham, estudam e  tem acesso a nossa biblioteca e demais serviços, tal calúnia é uma  afronta à integridade moral de toda a comunidade, ao longo do dia temos  pessoas circulando o tempo todo dentro da Instituição, bem como  segurança do patrimônio público 24 horas;
7º – Sobre o uso de alguns espaços acadêmicos, como piscina, laboratórios, com permissão da  direção do campus, uma vez que, em momentos que não comprometem o  andamento de nossas atividades.
O IFMA Campus Buriticupu condena  qualquer tipo de comentário inescrupuloso à comunidade acadêmica e  lamenta pela fala e escrita proferida à instituição.
Colocamo-nos a disposição para outros esclarecimentos sobre o assunto.
Atenciosamente,
Ronald Ribeiro
Diretor Geral

 

FONTE: IFMA/Campus Buriticupu

 

Você pode gostar...