BOMBA: Fiscal do COREN-MA denuncia atual gestão.

DJAYNA SERRA NUNES, ENFERMEIRA FISCAL DO COREN-MA.

DJAYNA SERRA NUNES, enfermeira fiscal do Coren/MA, procurou o Portal do Munim no dia 14 de novembro de 2018 com denúncias extremamente graves, que, nas palavras da nossa entrevistada, “está sangrando o órgão, trazendo prejuízo irreparáveis”.

Portal do Munim: Djayna, conte-nos um pouco da sua história no Coren.

R – Sou servidora concursada do Coren/MA desde 22 de janeiro de 2007, desempenhando sempre a função de enfermeira fiscal há mais de 10 anos. Portanto, considero o Coren uma casa para mim, já faz parte da minha história. Mas, infelizmente, o atual presidente visa destruir a casa, e nos calar.

Portal do Munim: Destruir como?

R – Houve um movimento de todos os enfermeiros fiscais dentro do Coren, apoiado também pelos funcionários, onde utilizamos camisas pretas com os dizeres: “COREN-MA AQUI TRABALHA UM ENFERMEIRO FISCAL DESMOTIVADO E DESVALORIZADO”, isto porque nos foram tirados direitos e nos posicionamos contra várias decisões do atual presidente JAMSON SILVA DE OLIVEIRA JÚNIOR, que fez um memorando proibindo o uso da camisa, e inclusive ameaçando com abertura de Processo Administrativo Disciplinar. Vejam o absurdo! Não se pode mais usar uma camisa para protestar. Sem sequer me dar oportunidade de me defender devidamente, me afastaram das minhas funções por 60 dias numa atitude mesquinha e fascista, sem poder sequer me defender das acusações por ele feitas. Ele acusou, e desde logo decidiu me tirar.

Presidente Jamson Silva de Oliveira Junior e Secretária Gianne Negri von Randow.

Portal do Munim: E qual foi o fator determinante para você fazer essa denúncia?

R – Porque sou uma das que não se calam diante de absurdos realizados ali dentro, absurdos que toda a classe da enfermagem deve saber. Quando o Sr. Jamson assumiu como Presidente, simplesmente duplicou o vencimento dos conselheiros. Isso ocorreu em meados do mês de setembro, fato este que é um absurdo frente aos salários baixíssimos que a enfermagem recebe atualmente, tudo isso para ter o apoio da maioria do Plenário e para não ser questionado diante das decisões arbitrárias as quais toma de modo unilateral , somando-se da falta de análise quanto ao impacto financeiro que isso tem causado para o órgão, assim como da inexistência de Portaria que fundamentasse esses aumentos. Para se ter uma idéia, tem documentos de outros funcionários fazendo denúncias sobre Conselheiros da atual gestão, os quais recebem valores individuais por auxílios de R$ 350,00, sendo que nem lá comparecem, porém os nomes constam compondo Comissões, ou seja, recebem sem sequer ir!

Portal do Munim: Mas isto é grave, como funciona esse controle financeiro no Coren?

R – Na atualidade, o dinheiro arrecadado do pagamento de anuidades da categoria de enfermagem serve basicamente para pagar os conselheiros em suas atividades não realizadas, e viagens. Por exemplo, semanas atrás alguns conselheiros foram hospedados em um Hotel 5 estrelas na capital a um custo diário de mais de 250 reais sendo que todos têm residência em São Luís, postando inclusive imagens em Redes Sociais, se divertindo do dinheiro dos profissionais de enfermagem. Portanto, qual a necessidade de se gastar anuidades para pagar diárias em hotel de luxo (Blue Tree Towers), de frente para praia, para conselheiros que residem na mesma cidade?

No Coren, sempre que se tem uma viagem, paga-se antecipadamente R$ 500,00 (quinhentos reais) por dia, sem contar que a passagem também é paga pelo órgão. Ou
seja, se você viajar 08 dias, será repassado antecipadamente para sua conta bancária: R$ 4.000,00 (quatro mil reais), mais a passagem aérea! Nessa farra, próxima semana o Conselho de Enfermagem estará pagando diárias de R$ 4.000,00 para mais de 20 pessoas, contrariando determinação da própria tesouraria que já informou não ter orçamento para tanto!

CONSELHEIROS DESFRUTANDO DO COREN-MA.

Portal do Munim: A tesouraria vedou então esta viagem?

A própria tesoureira Célia não vai fazer essa viagem, ainda que componha a Diretoria e seja parte representativa do órgão. Mas vendo as contas malgastas do Coren, decidiu não ir e recomendou a diminuição do quantitativo de pessoas, mas o Presidente simplesmente disse que ele é quem decide e quem manda é ele. A rigor, essas viagens, assim como os auxílios em dobro, são formas de garantir votos no conselho, e perpetuar essa politicagem no órgão.

Portal do Munim: Quais providências estão sendo tomadas diante de tudo isso?

R- Até o momento, várias pessoas fizeram denúncias na ouvidoria do COFEN (Conselho Nacional), que até o momento não se manifestou sobre tais absurdos. Portanto, não havendo respostas de Brasília, estamos agora com o propósito de acionar a Justiça, bem como o Ministério Público Federal. O que não se pode é manter esta politicagem de usar o Coren como plano de carreira, de modo que o presidente, a secretária, e outros conselheiros simplesmente saíram dos empregos, e tem como única fonte de renda o Coren, em outras palavras estão sangrando o órgão, trazendo prejuízos irreparáveis. O pagamento do Conselho não é salário, não havendo relação de emprego, ali é o dinheiro da classe da enfermagem, e tais verbas devem ser usadas para benefício de TODA a classe, e não para pagar contas do presidente e dos demais Cargos em Comissão.

Portal do Munim: Djayna, alguma consideração final?

R- Estou há mais de 10 anos no COREN, trabalhando em prol da defesa da enfermagem como enfermeira fiscal. No exercício da minha função não estive em falta, e jamais me neguei a trabalhar em prol do cumprimento ético e correto da enfermagem, de modo que não será agora que me furtarei a isso. É uma grande responsabilidade que possuo em estar aqui fazendo essa denúncia, mas não posso me calar diante de tamanha falta de respeito ao enfermeiro, auxiliar de enfermagem, técnicos e parteiras, que com muito esforço, separa parte do seu suado dinheiro para pagar a anuidade, sem observar que isto está sendo revertido em benefício da classe. Pelo contrário, é um absurdo ver a má utilização desse dinheiro visando benefícios próprios: hospedagem em excelentes hotéis, e viagens constantes, na maioria das vezes desnecessárias, ao invés de reverter tudo isso em prol da atividade fim do órgão que é a Fiscalização do exercício profissional, através da cobertura fiscalizatória nas cidades do interior, sendo que os profissionais desses municípios encontram-se completamente desassistidos da atuação do Coren-MA.
Diante do exposto, não me calarei, a classe pode contar comigo, assim como teremos outros momento de atualizações diante do cenário atual do Coren-MA. Profissional, através da cobertura fiscalizatória nas cidades do interior, sendo que os profissionais desses municípios encontram-se completamente desassistidos da atuação do Coren-MA.

Você pode gostar...