Edilázio Júnior tem nojo de pobre: ‘Um público que não tem nada a ver com a gente’, diz o deputado sobre classe C

Declaração foi dada durante reunião com moradores da Península da Ponta d’Areia, sobre o projeto do Cais Flutuante São Luís-Alcântara.

SÃO LUÍS/MA – O deputado federal Edilázio Júnior (PSD) se posicionou de forma extremamente elitista e preconceituosa, nesta quinta-feira 11, durante encontro com moradores da Península da Ponta d’Areia, considerada a área mais nobre e cara da capital maranhense. No local, o governo de Flávio Dino (PCdoB) pretende construir o Cais Flutuante São Luís-Alcântara, nas proximidades do Iate Clube.

Contrário a instalação do projeto no local, o parlamentar declarou em tom alarmante aos presentes que, se a obra for construída onde pretende o governo, passarão a circular na Península não apenas pessoas da elite econômica local, mas também da classe C.

“Na imagem [o projeto] é muito bacana, é muito bonito. Se fosse aquilo ali, ia ser muito bacana, que cada um podia ter a sua lancha, podia ter o seu barco, seria algo a mais para agregar à Península da Ponta d’Areia, mas que de fato, o que vai trazer e o público que vai vir pra cá é um público que não tem nada a ver com vocês, que não tem nada a ver com a gente e, sem desmerecer, que não entendam mal, mas o que vai vir pra cá é o público C”, declarou.

Em outros trechos do discurso preconceituoso, Edilázio também se posicionou contra a circulação de moto-táxis, carrinhos lotação e vans na região. Os vídeos são do blog do John Cutrim.

Outro lado

Diante da repercussão negativa, Edilázio Júnior emitiu nota em que diz ter sido mal interpretado, e pede desculpas a quem se sentiu ofendido com as declarações.

Segundo ele, sua biografia e histórico de atuação parlamentar é de defesa dos “mais humildes”, e que seu posicionamento contrário à implantação do cais flutuante na Península se “se dá pelo fato de a área possuir hoje forte vocação para o turismo”.

Ainda na nota, Edilázio Júnior diz que houve “distorções” em torno de seu posicionamento sobre o projeto em razão dele fazer oposição ao governo de Dino.

“Por último, repudio as distorções criadas em torno do meu posicionamento e enfatizo que os ataques contra o meu mandato foram intensificados depois de eu ter ingressado com ações na Justiça, no Ministério Público e no Tribunal de Contas do Estado (TCE) contra o Governo Flávio Dino (PCdoB) por irregularidades em obras de rodovias estaduais e de má gestão de recursos públicos”, declarou.

 

(FONTE: do Atual 7)

Você pode gostar...