Mulheres extrativistas do babaçu de Itapecuru-Mirim realizam feira itinerante em São Luís

A palmeira do babaçu é conhecida como a mãe das quebradeiras de coco.

MARANHÃO – A palmeira do babaçu é conhecida como a mãe das quebradeiras de coco, pois dela pode-se aproveitar quase tudo, frutos, folhas, raízes e estipe, podendo gerar vários produtos, do artesanato, gastronômico, cosméticos, remédios e outros. É dessa matéria-prima que as mulheres extrativistas da Associação das Quebradeiras de Coco Babaçu de Itapecuru-Mirim utilizam para mostrar a riqueza dessa palmeira e comercializam os produtos para sustentar suas famílias.

Desde abril, as produtoras vêm a São Luís e realizam uma feira itinerante que roda por instituições de apoio à agricultura familiar como as Secretarias de Estado da Agricultura Familiar (SAF) e Desenvolvimento Social (Sedes), Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária do Maranhão (Agerp-MA), Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e Embrapa Cocais. Aos domingos, as quebradeiras de coco expõem na Feirinha São Luís, na praça Benedito Leite.

Biscoitos, bolos, pães, pudim e bombons à base de farinha de mesocarpo do babaçu foram alguns dos saborosos produtos alimentícios trazidos pelas mulheres para comercializar na SAF, nesta terça-feira (07). Além disso, também expuseram o óleo, o azeite, sabonete, sabão.

A presidente da Associação, Maria Domingas, disse que a realização da feira itinerante oportuniza a divulgação do trabalho das quebradeiras de coco babaçu e a ajuda na geração de renda das famílias destas mulheres.

“A gente agradece ao secretário da SAF por abrir as portas para fazermos a exposição e comercializar os produtos oriundos do babaçu. Passamos por vários órgãos para divulgar a riqueza e o sabor que o babaçu possui. A SAF, que é a casa da agricultura familiar do nosso estado, não podia ficar de fora. Agradecemos muito o espaço e a receptividade de todos”, disse Maria Domingas.

A Associação das Quebradeiras de Coco babaçu conta que 150 mulheres, já a Cooperativa Babaçu é Vida tem 72 mulheres. Das mãos dessas mulheres são produzidos deliciosos produtos à base do babaçu.

“A Secretaria sempre está de portas abertas para os agricultores familiares do Maranhão. A comercialização de produtos de origem do coco babaçu fortalece as ações que temos hoje voltadas para esta cadeia extrativista. Temos semanalmente a Feirinha do Servidor, com produtos da agricultura familiar, e agora, mensalmente, contamos com a feirinha de produtos do babaçu. Estamos ajudando nossos agricultores a comercializar e gerar renda, é gratificante”, destacou o secretário de Estado da Agricultura Familiar, Júlio César Mendonça.

Você pode gostar...