Prefeito de Paulo Ramos é preso por acusação de envolvimento em esquema de agiotagem.

Prefeito do município de Paulo Ramos, Tancledo Lima Araújo.

Prefeito do município de Paulo Ramos, Tancledo Lima Araújo.

PAULO RAMOS – O prefeito do município de Paulo Ramos, Tancledo Lima Araújo, foi preso nas primeiras horas da manhã desta terça-feira (5) em realizada pela Polícia Civil, por intermédio da Superintendência Estadual de Prevenção e Combate à Corrupção (Seccor). Essa é mais uma etapa da operação de combate à corrupção que tem focado em gestores públicos envolvidos em desvios de recursos públicos em esquemas com agiotas.

Foram presos também Joaquim Lima Araújo (Secretário de Administração e irmão do prefeito), os empresários Moussa Esber Mansour, George Esber Mansour e Geovani Carla de Freitas Costa Mansour, além de José de Alencar Miranda (pai do agiota Gláucio Alencar), que esteve preso recentemente por acusação de envolvimento no assassinato do jornalista Décio Sá. Todos são acusados de formação da organização criminosa que fraudava licitações.. Joaquim Lima Araújo é conhecido como “Quincas Araújo”, ex-deputado estadual.

Todos os acusados estão presos preventivamente. As prisões foram determinadas pelo desembargador Raimundo Melo. A polícia está à procura ‘Eduardo DP’, acusado de envolvimento em esquemas de agiotagem. Ele é considerado foragido da Justiça. Eduardo DP já foi alvo de outras operações de combate à agiotagem.

Cheques da prefeitura encontrados com agiotas

A investigação teve origem a apreensão de cheques da Prefeitura de Paulo Ramos, durante a Operação Detonando que investigou a morte do jornalista Décio Sá. À época, a polícia apreendeu vários cheques da prefeitura com o agiota Gláucio Alencar e o seu pai José Miranda.

Durante a investigação, a polícia descobriu outros crimes do prefeito, como fraude em processos licitatórios ligados à merenda escolar. Em 2015, o prefeito Tancledo Lima foi alvo da ‘Operação Bocage’, por acusação de envolvimento com agiotagem. À época, a polícia teve acesso a anotações indicando altos valores, oriundos de fornecimento de merenda escolar, medicamento e aluguel de máquinas pesadas. Os fornecimentos teriam sido para a prefeitura de Paulo Ramos e para o próprio prefeito.

Contratos fraudulentos
A polícia informou que a prefeitura de Paulo Ramos firmou contratos com várias empresas utilizadas pelo esquema de agiotagem, totalizando um montante de desvios de R$ 2 milhões. Foram encontrados contratos com as empresas Rio Anil Locações, pertencente a Eduardo DP, o ‘Eduardo Imperador’, no valor de 600 mil reais; JS Silva, controlada por Gláucio Alencar e por membros da família Mansour, em nome de uma já pessoa falecida, no valor de 986 mil reais; e PGA Martins, pertencente a Fábio Brasil (assassinado em Teresina/PI), mas usada por Gláucio Alencar em licitações fraudulentas, no valor de 430 mil reais. Foram encontrados comprovantes de transferências de 149 mil reais da conta da prefeitura para a PGA Martins.

 

Você pode gostar...