“Tem 20 anos que lutamos pela educação no campo e com Flávio Dino nós conseguimos a Escola Digna”, afirma coordenadora do MST em Itapecuru Mirim.

Governador Flávio Dino e o MST em Itapecuru Mirim.

MARANHÃO – Durante os primeiros anos do Assentamento Cristina Alves, Agrovilla Cabanagem em Itapecuru-Mirim, as crianças estudavam em um barracão de taipa e palha, como lembra a agora estudante de Direito e ex-aluna da Escola Municipal Maria Aragão, Eliane Araújo Magalhães, de 22 anos.
“Quando eu e a minha família chegamos no assentamento eu tinha 11 anos. Eu estudei na escola de taipa, debaixo de ‘pé de planta’ dos 11 aos 14 anos. Quando chovia molhava tudo, as carteiras não eram confortáveis e o banheiro era só um cercado”, disse Eliane. 

Essa realidade também foi vivida pela jovem Kaylane Montelo, de 13 anos, que descreve como era a escola.  “O teto era de palha e quando chovia molhava, e não tinha como ter aula, porque alagava tudo, aí a gente tinha que estudar em casa mesmo. O banheiro era só um e era de palha”, afirmou Kaylane. 

Hoje, não existe mais barracão de barro com teto de palha para as crianças e jovens da Agrovilla Cabanagem, pois foi construída no lugar uma Escola Digna, inaugurada pelo governador Flávio Dino na última sexta-feira (15).

“Eu vim aqui pela causa da luta pela justiça social. A escola é o caminho de construção de igualdade de direitos. Por isso, estamos abrindo escolas, oportunidades e sonhos para onde jamais havia sido olhado antes. Hoje estamos testemunhando a presença do governo neste assentamento, nesta comunidade. Só é possível construir uma sociedade autenticamente justa se, desde pequenininhos, mostrarmos para os meninos e para as meninas que eles são respeitados”, destacou o governador Flávio Dino.

O governador também ressaltou ainda a importância dos movimentos sociais. “Quero agradecer a força e luta do MST, dos movimentos de produtores rurais, e das lutas que nascem da força do povo. A causa da reforma agrária deve ser de todos os brasileiros. Nós temos que permanecer unidos, e unidos olhando para quem mais precisa. O resto tudo passa, o que fica é a nossa luta por justiça, por igualdade, por decência e por dignidade. A única obra imortal e eterna é transformar a vida das pessoas, e garantir a educação de qualidade para esses meninos, é a maior obra que Deus me permitiu realizar nesse estado. Viva a Educação!”, arrematou Flávio Dino.

“A alegria é gigante. A gente olhando todo o mobiliário, tudo o que chegou para o funcionamento da escola e se lembra onde a escola funcionava ano passado, uma sala pequena com um monte de criança no calor, muito difícil e precarizado. Hoje a gente olha a escola nova, uma maravilha, tudo decente, tem 20 anos que nós lutamos pela educação no campo e com o Flávio Dino nós conseguimos a nossa Escola Digna. Agora a gente tem estrutura, ‘tá’ lindo o prédio, a gente ‘tá’ muito feliz. Nós do Movimento Sem Terra acreditamos na pedagogia do movimento. A educação é um passo fundamental para mudar a vida das pessoas e as pessoas mudarem o mundo, como dizia Paulo Freire”, enfatizou Lenilde de Alencar Araújo, coordenadora estadual do setor de educação do MST.  

A nova estrutura agradou também a mãe dos pequenos Luís Otávio e Karla Cristina.“Eu tô achando bom, a gente mora há 11 anos aqui no assentamento e essa é uma conquista para todos. Eu tenho dois filhos que vão estudar na nova escola e em breve vai estudar o meu filho menor. Estamos muito felizes”, comemorou Ivonete Lima Silva, mãe da Karla Cristina, 4 anos, e Luís Otávio, 6 anos, estudantes da Escola Digna.

Você pode gostar...