Moro envia Força Nacional à zona de conflito em área indígena no Maranhão

MINISTRO SÉRGIO MORO.

BRASÍLIA – O ministro Sérgio Moro anunciou nesta segunda-feira (9), por meio de uma redes social que autorizou o uso da Força Nacional no Maranhão “a fim de evitar qualquer novo incidente criminoso”. A portaria foi assinada no começo da tarde, e os efeitos da medida começam a valer a partir de amanhã (10).

A medida foi tomada após a morte de dois caciques identificados como Firmino Silvino Praxede Guajajara e Raimundo Guajajara, na Terra Indígena Cana Brava Guajajara no último sábado (07)

Os integrantes da Força Nacional devem permanecer no local até 8 de março de 2020. Os agentes devem dar apoio à Fundação Nacional do Índio ( Funai ) em ações de segurança pública.

O ministro ao lamentar o episódio no último sábado, já havia sinalizado a possibilidade de enviar uma equipe da Força Nacional ao local e dito que a PF estava a caminho da região para começar a apurar os motivos dos assassinatos.

Os dois índios foram mortos por tiros disparados de um carro, às margens da rodovia BR-225, em Jenipapo dos Vieiras, no Maranhão.

A Polícia Federal (PF) também informou que instaurou inquérito para apurar o caso. Segundo um comunicado da PF, “até o momento não foram encontrados indícios de vínculos entre os crimes e atritos entre indígenas e madeireiros”. 

Entenda o caso

Na manhã de sábado, 07, dois indígenas foram mortos e ao menos quatro ficaram feridos por tiros durante um ataque. O fato aconteceu na BR-226 que corta a terra indígena do povo Guajajara no Maranhão, na aldeia El Betel, entre as cidades de Grajaú e Barra do Corda.

Firmino Prexede Guajajara morreu na hora. Os indígenas voltavam de uma reunião de articulação pra defender seus direitos. A Funai esteve com equipe no local. A BR-226 foi bloqueada pelos indígenas por conta do crime

Você pode gostar...