Projeto literário Geleitura marca presença na IV Feira Literária de Itapecuru-Mirim

Projeto Geleitura realiza atividades com estudantes em Itapecuru.

MARANHÃO – Equipe composta de dez pessoas do Geleitura, da Unidade Plena de São José de Ribamar do Instituto Estadual de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IEMA), participou da IV Feira Literária de Itapecuru-Mirim, na última semana, com atrações literárias realizadas em diversos pontos da cidade.

Com o tema “Itapecuru: o Rio da vida maranhense”, o evento presta homenagem ao sesquicentenário de Mariana Luz, poetiza itapecuruense que foi uma das figuras mais expressivas na literatura maranhense do final do século XIX e da primeira metade do século XX. Na cidade, aconteceram atividades literárias, como feira do livro, exposições de artes visuais, contação de história, relato de experiências, mesa redonda, palestra, dentre outras atrações.

A Feira Literária de Itapecuru-Mirim (FLIM) vem anualmente presenteando o público com o que há de melhor em conhecimento literário e no âmbito cultural como um todo. São lançamentos de livros, intervenções artísticas, declamações poéticas, dentre outros. Nesta edição, o Geleitura foi convidado para participar do evento.

“É importante salientar que já participamos três vezes da Feira, sendo que no ano passado, por conta da pandemia, tivemos nossa participação de forma virtual. Dessa vez, os nossos protagonistas do IEMA de São José de Ribamar, juntamente comigo e também com o professor Marcus Saldanha, levaram alguns relatos de experiência tendo como carro-chefe o Projeto Geleitura que é apresentado ao público de duas formas: palestra, intervenção artística e ação na praça”, destacou o professor Edney Figueiredo.

O Projeto Geleitura consiste em oferecer à comunidade, que mora no entorno do IEMA de São José de Ribamar, uma geladeira literária que fica disponível na entrada do prédio, permitindo que um morador local possa pegar um livro, ler e devolver ou até mesmo trazer um outro livro, contribuindo assim para a troca de conhecimentos. A Geladeira é personalizada com grafitagem pelos protagonistas e depois abastecida de livros, frutos de uma campanha intensa e constante de doação.

O professor Edney Figueiredo ressaltou, ainda, como percebeu que o Projeto estava no caminho certo. “Nós sabemos quando o projeto deu certo no exato momento em que o público de todas as idades se aproxima e, com sede de conhecimento, começa a folhear os livros em busca da leitura ideal, e isso é uma realidade. Nosso único pedido é que o livro continue circulando”, expressou.

O projeto nasceu a partir de uma provocação do gestor Rodrigo do Norte, tomando como exemplo as “geladeiras literárias” que circulam pelo mundo. Daí surgiu o nome “Geleitura”. Os alunos protagonistas imprimiram sua identidade e personalizaram a geladeira literária com grafitagem e colocaram na frente da Unidade de Ensino, para que a comunidade venha e se aproprie da leitura.

“Neste ano, tivemos a grata surpresa em receber uma jovem que, na última edição presencial, pegou alguns livros e dessa vez voltou, devolveu-os e ainda fez a doação de outros. Essa é a ideia. O livro sai sem a obrigatoriedade de voltar, mas se voltar, que venha com um ou mais livros. Caso o livro não retorne, que não fique, porém, enfeitando uma estante qualquer; o livro precisa circular. O incentivo à leitura e replicabilidade do projeto são nossa maior motivação”, declarou Figueiredo.

Aos interessados em fazer doações de livros literários, é necessário entrar em contato, por meio dos perfis na rede social instagram: @geleitura, @prof.edfigueiredo, @edfigueiredooo, @marcushistorico.

Fonte: Seduc

Você pode gostar...